sábado, 22 de fevereiro de 2014

As Minas de Salomão


Que mistérios se ocultam nas profundezas das selvas africanas? Quantas aventuras poderemos ter entre tribos perdidas, civilizações esquecidas e ruínas de velhas cidades devoradas pela floresta verdejante? No centro dos mistérios encontramos a misteriosa raínha branca, talvez imortal, capaz de levar os homens à loucura com o seu olhar.

As aventuras de Allan Quatermain estão entre o que há de mais clássico no romance de aventuras africanista do século XIX e XX. Percursor de Tarzan e tantos outras personagens que se aventuram no coração selvagem das trevas das selvas africanas, H. Ridder Haggard encantou e encanta gerações com as suas histórias de aventura no continente negro, na época um ainda lugar misterioso com uma aura selvagem. Foi traduzido para português por Eça de Queirós e o Projecto Adamastor acaba de lançar uma nova revisão e formatação em suporte digital. Visitem a página do livro no site do projecto e descarreguem para ler este clássico da literatura empolgante num tablet, telemóvel ou e-reader: As Minas de Salomão.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Robopocalipse


Daniel Wilson (2014). Robopocalipse. Lisboa: Bertrand.

As especulações e antevisões sobre a robótica são o elemento mais interessante deste livro . O autor é investigador na área e isso nota-se nas suas descrições tecnicamente plausíveis de robots construídos pelo homem, robots auto-evoluídos e inteligências artificiais, uma das quais é afectada por um complexo deificador napoleónico que a leva a tentar dominar o planeta e a exterminar a humanidade para, paradoxalmente, a proteger. A narrativa é divertida e escrita a bom ritmo, com uma história que parte de premissas e conceitos interessantes e actuais cujo senão é desenrolar-se como uma aventura simplista. Confesso que estou indeciso entre saudar a Bertrand por publicar este livro de Ficção Científica, apesar de não o tornar explícito nas colecções que edita, ou de refilar com um bolas, com tanta coisa boa que se faz em FC vão logo publicar um romance mediano. Mas, precisamente por ser um livro simples, diria que é uma boa leitura para leitores adolescentes a despertar para as maravilhas da ciência e tecnologia.

Em termos puramente literários Robopocalypse não é grande coisa. A escrita é sólida, mas totalmente previsível. Nunca é muito bom perceber-se qual é o fio narrativo e como o livro vai acabar logo nos primeiros parágrafos. A leitura das restantes páginas torna-se penosa, e é pena, porque o que falta em estilo literário é amplamente complementado por conceitos de robótica avançada aplicados à linha do romance. Neste aspecto o livro brilha com conceitos que vão de andróides que adquirem sentiência ao trabalho de cientistas otakus que transferem as suas emoções para robots humanóides e trabalham para lhes dar um espírito dir-se-ia que humano. As personagens deste livro têm de enfrentar ao longo da sua odisseia uma vasta gama de criações robóticas adaptadas que vão de minas automáticas a carros autónomos, todas cooptadas por uma inteligência artificial que na sua décima segunda iteração se liberta do confinamento num laboratório seguro e tenta exterminar a humanidade. De todas as criações destacaria os cyborgs híbridos criados pela IA renegada e uns muito arrepiantes robots capazes de reanimar humanos mortos. Adoraria ver estes renderizados e animados em 3D.

Inteligência Artificial renegada, extermínio, guerra... está-se mesmo a ver por onde é que este livro vai. Após os primeiros momentos de extermínio a humanidade reorganiza-se e dá uma coça aos robots. Com ajuda de alguns que no processo se tornaram inteligências autónomas e estão tão pouco dispostos a servir humanos como a servir überIAs. Se como obra literária este livro deixa muito a desejar, certamente que terá futuro no cinema. A narração lê-se como um guião, cheia de diferentes pontos de vista, e o tema adapta-se particularmente bem a uma produção cheia de efeitos especiais que se for cuidada poderá criar um filme memorável que capture os interessantes conceitos que estão na espinha dorsal desta obra.

domingo, 16 de fevereiro de 2014

O Oceano no Fim do Caminho



Neil Gaiman (2014). O Oceano no Fim do Caminho. Lisboa: Presença.

Entre o hype mediático e a ansiedade dos fãs de Gaiman este era talvez um dos livros mais aguardados do momento. O autor não desilude, trazendo-nos um dos seus já habituais contos em que as barreiras do real são difusas e personagens em jornadas de auto-descoberta se cruzam com criaturas míticas, forças ocultas e segredos milenares.

Apesar de definido com um livro "adulto", estruturalmente parece muito similar a Coraline, só que em vez de uma rapariga que se sente ignorada pelos pais temos um rapaz que vive com o nariz enfiado nos livros como herói, as forças malévolas não estão do lado de lá do espelho mas vêm de terras e tempos distantes paralelos ao nosso, as personagens secundárias excêntricas que ajudam Coraline são aqui três mulheres de idade incerta que vigiam a eternidade e são vagamente insinuadas como mitos encarnados que se manifestam na mais nova, com o aspecto de uma criança, que salva o ingénuo rapaz amante de livros de ameaças de criaturaras aparentemene todo poderosas. O oceano no lago é um portal para outras eras e geografias de onde se escapa uma criatura que nada mais quer fazer do que agradar, e para isso afoga as suas vítimas em riquezas. E há um gato, claro. Uma história de Gaiman com uma criança a descobrir um mundo onde realidade e fantasia se misturam sem um gato misterioso que se torna companheiro inseparável do inocente personagem principal, bem, não seria uma história de Gaiman.

O Oceano no Fim do Caminho é um típico livro de Neil Gaiman, escritor formulaico cujas narrativas seguem sempre a mesma estrutura, apenas variando os adereços visuais das aventuras dos seus personagens. O que safa Gaiman é a sonoridade da sua prosa, que encanta, embala e deixa o leitor embrenhar-se na história. Gaiman faz parecer fácil o contar de uma boa história.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Leituras digitais


À procura de boas leituras em língua portuguesa? O escritor Manuel Alves organizou uma página onde se pode aceder facilmente aos seus contos e livros em formato digital. Se quiserem ler boas histórias de ficção científica, fantasia ou steampunk em português visitem a página deste jovem e dinâmico escritor: Juro Que Minto. Não se apoquentem que não há mentiras nenhumas, apenas boas histórias. Parte delas podem ser descarregadas gratuitamente para os vossos tablets ou telemóveis.

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Comics Marvel em Português


Vi a notícia no Leituras de BD e, poucos dias depois, à venda. Esta iniciativa recupera para edição portuguesa alguns dos mais icónicos comics da Marvel. A Panini vai colocar regularmente nas bancas os Vingadores, o Homem-Aranha e os X-Men. Só se pode aplaudir a iniciativa, e esperar que cative leitores. Tal como o Leituras de BD eu também preferiria comics da DC, mas parece-me que o importante aqui não é agradar aos fãs de sempre do género mas sim cativar novos leitores. O preço é relativamente acessível, mas recompensador se notarmos que cada edição colige três histórias actuais, impressas em papel de boa qualidade. Se gostam de banda desenhada, comics, filmes de super-heróis ou leituras divertidas experimentem estas novas revistas! Na primeira edição a super-equipe do Homem de Ferro, Capitão América, Hulk e Thor enfrenta uma ameaça cósmica em Marte e, capturada pelos vilões, tem de recorrer... e mais não conto, vão ler!