domingo, 22 de dezembro de 2013

Leituras Digitais

À procura de leituras para aproveitar bem o tempo de pausa lectiva? Ficam aqui algumas sugestões gratuitas de literatura fantástica em português.


A revista Bang! (que também se pode encontrar em papel no Centro de Recursos Poeta José Fanha) já colocou online a versão digital da sua edição mais recente.


O fanzine Fénix desafiou autores portugueses a reimaginar visões de natal para a sua terceira antologia. Pode ser descarregada no Smashwords.


Do outro lado do atlântico chega-nos este promissor projecto Trasgo. FC e fantasia com sotaque brasileiro, a descobrir na página do projecto.

Estas edições digitais são publicadas em pdf e epub, formatos óptimos para experimentar usar os tablets e os phablets que cada vez mais trazem para a escola para ler livros em formato digital. Atrevam-se!

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Visões de Utopia


Concurso de ilustração e multimédia.

Inspira-te no imaginário da Ficção Científica e Fantástico e cria as tuas visões! Desafia os teus professores de Educação Visual, Artes ou TIC a participar!

Escalões:
1 - 2.º e 3.º Ciclos do Ensino Básico
2 - Secundário

Vertentes:

Ilustração: trabalhos gráficos em desenho, pintura ou colagem.
Multimédia: trabalhos digitais em 3D, imagem, vídeo ou Scratch.

Concorre até 1 de Maio de 2014 em livros.de.utopia@gmail.com. São aceites inscrições individuais ou por turma.

O concurso Visões de Utopia pretende estimular a expressão criativa através do imaginário literário e mediático da Ficção Científica e Fantástico. Está aberto a alunos dos 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e secundário. São aceites trabalhos de expressão plástica em suportes tradicionais em desenho, pintura ou colagem ou digitais em imagem fixa 3D, pintura digital ou colagem, pequenos vídeos ou projectos em Scratch.

As temáticas prendem-se com os géneros de FC e Fantástico, podendo os participantes criar visões futuristas, inspiradas no fantástico ou ilustrar passagens e elementos de obras destes géneros.

A propriedade intelectual dos trabalhos enviados a concurso é pertence exclusivamente aos criadores, embora a organização do Visões de Utopia se reserve o direito de divulgar publicamente os trabalhos seleccionados em meios digitais e em exposição a organizar no âmbito do Fórum Fantástico 2014, referenciando sempre os autores.

Esta iniciativa é promovida em conjunto com a Épica - Associação Portuguesa do Fantástico nas Artes e Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro no âmbito do projecto Livros de Utopia.

Para mais informações contactem-nos através do email livros.de.utopia@gmail.com.

domingo, 17 de novembro de 2013

Hello world!


Momento <hello world> no arranque do Fórum Fantástico 2013 acompanhado pelo infatigável Rogério Ribeiro, o grande desafiador desta e doutras iniciativas. Para breve mais novidades.

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Fórum Fantástico 2013


Ponto de encontro anual para os fãs do fantástico e ficção científica, o fórum é um evento anual dedicado às várias vertentes destes géneros. São três dias dedicados a livros, banda desenhada, ilustração, cinema, animação e jogos onde se podem trocar experiências, conviver com autores convidados, descobrir ou redescobrir as novidades do ano e adquirir livros em livrarias especializadas. Este ano decorre na Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro em Telheiras de 15 a 17 de Outubro. Podem consultar o programa na página do Fórum Fantástico. Este ano o destaque vai para a presença de Ian McDonald, autor de Brasyl, Desolation Road e o steampunk Young Adult de Planesrunner. Para além deste autor, conta-se com a presença de David Rebordão, realizador do recente filme português de ficção científica RPG, a apresentação do livro História dos Videojogos em Portugal com a presença do autor, Dr. Nelson Zagalo, Filipe Melo e os restantes conspiradores de As Incríveis Aventuras de Dog Mendonça e Pizzaboy, ou a estreia de Esperânsia, curta metragem de animação do superlativo Claúdio Jordão, entre muitos outros momentos interessantes. Imperdível para os fãs do fantástico!

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Leituras Assustadoras


Porque o terror literário é divertido, assustamos com esta imagem evocativa criada por Carl Barks, o ilustrador que deu a forma que conhecemos aos personagens da Disney. Não haveria Pato Donald e amigos sem o seu trabalho.

31 de Outubro, noite dos terrores, dos ruídos soturnos, dos calafrios provados pelo medo do desconhecido. Que leituras poderemos escolher para nos arrepiarmos ainda mais na noite dos arrepios? Podemos mergulhar no soturno século XIX com as fabulosas histórias arrepiantes de Edgar Allan Poe. Entre as Histórias Extraordinárias e Os Crimes da Rua Morgue (livro recomendado pelo PNL) o assombro é garantido. Ou então porque não pegar na prosa encantadora de Neil Gaiman e ficar a conhecer o rapaz que vive num cemitério, educado pelos simpáticos fantasmas em A Estranha Vida de Nobody Owens? Para os fãs de horrores mais apocalípticos fica a sugestão de descobrir a obra de H. P. Lovecraft. Quem descobre os terrores de Cthulhu e dos restantes pesadelos congeminados descobre uma paixão literária para a vida. Traduções de Lovecraft para português estão disponíveis graças à editora Saída de Emergência.

Ou, porque não, pegar nos clássicos Drácula e Frankenstein descobrindo os textos originais que são tão influentes noutros livros, no cinema ou jogos? Leitores com gosto mais contemporâneo podem descobrir os livros de Stephen King ou Richard Matheson. Quem lê em inglês pode - deve - experimentar a tradição de ler A Night In The Lonesome October, romance de Roger Zelazny que reúne todos os monstros imaginários do cinema e literatura numa luta pelo domínio do mundo cujo clímax acontece na noite do Halloween. A tradição é ler um capítulo por dia até ao ao dia 31, onde se descobre se são os bons ou os maus monstros os que saem vencedores da luta que todos os anos se repete.

Procurem estes (e outros) livros nas vossas bibliotecas escolares. Boas leituras e bons arrepios! I bid you good evening.

domingo, 27 de outubro de 2013

Leiam.

Numa palestra recente sobre o futuro das bibliotecas, Neil Gaiman faz uma brilhante apologia do livro e da literatura como recreio da mente, assumindo o mergulho em mundos de fantasia como um recreio para a imaginação que nos enriquece enquanto pessoas. Toca de forma brilhante em vertentes aparentemente tão díspares quanto o carácter preditivo da ficção científica e sua influência sobre cientistas e engenheiros, liberdades de escolha literária, o saber dar espaço às crianças para desenvolverem o seu gosto sem imposições externas, bibliotecas como centros que permitem acesso gratuito à cultura. E, essencialmente, da leitura como porta de acesso e estímulo à imaginação humana, libertando a mente, abrindo novos horizontes e estimulando o desenvolvimento individual.

Gaiman termina citando Einstein, dizendo que "asked once how we could make our children intelligent. His reply was both simple and wise. "If you want your children to be intelligent," he said, "read them fairy tales. If you want them to be more intelligent, read them more fairy tales." He understood the value of reading, and of imagining. I hope we can give our children a world in which they will read, and be read to, and imagine, and understand." Mas talvez a melhor frase em que Gaiman sintetiza com precisão onde quer chegar com a sua mensagem é um tornear da ideia de Tolkien que aqueles que mais lutam contra o escape às normalidades são habitualmente carcereiros. Ler, descobrir, imaginar são acções que quebram grilhões. Leiam aqui, em inglês, tudo o que o autor tem para dizer. Porque vale a pena: Why Our Future Depends On Libraries, Reading and Daydreaming.

domingo, 6 de outubro de 2013

Porquê ler FC?

Porquê ler Ficção Científica e Fantástica? Podemos pensar em muitas razões que vão da exposição à imaginação pura à capacidade de especulação com base em conceitos científicos. No que toca à aprendizagem de línguas maternas e não maternas, estímulo ao gosto pela leitura e abordagem aos elementos das estruturas narrativas e gramática o Plano Nacional de Leitura dá-nos um conjunto de razões pertinentes para descobrir estes géneros literários, caracterizando-os de acordo com a sua estrutura e potenciais formativos:

Estrutura:
• Relato de acontecimentos que pelo facto de se desenrolarem no futuro ou em mundos paralelos incentivam uma utilização muito livre das várias estruturas típicas da narrativa.
• A sequência que pode ser ou não cronológica inclui geralmente o recurso ao flash-back e projecções no futuro.
• As personagens – seres humanos deslocados do seu ambiente, indivíduos com poderes especiais, extraterrestres, etc. – combinam exotismo e credibilidade pois as emoções e sentimentos, embora muito circunstanciados, são afinal os de sempre.
• Encontros, conflitos, peripécias variadas funcionam com pretexto para apresentar ao leitor tecnologias inéditas, feitiçarias.
 • As histórias desenrolam-se em lugares imaginários, outros planetas, a quarta dimensão, a Terra no futuro, cidades reais modificadas, recantos do mundo com um toque mágico, etc.
• A linguagem recorre com frequência a longas descrições, sem no entanto prescindir dos diálogos. Inclui vocabulário e construções gramaticais pouco vulgares e em certos casos, linguagens alternativas.

Potencial formativo:
• Estimula a imaginação e desafia o leitor a posicionar-se noutros universos.
• Desenvolve a capacidade de ler textos que intercalam tempos diferentes.
• Oferece cenários que extravasam o conhecimento do mundo real e estimulam o desejo de conceber espaços originais.
• Permite a evasão dos problemas e tensões do quotidiano através do convívio com personagens que possuem características e poderes próprios do sonho.
• Contribui para o enriquecimento do vocabulário.
• Promove a compreensão de construções gramaticais menos frequentes.

(Retirado do website do PNL)

domingo, 29 de setembro de 2013

Cinco Livros

Cinco livros para descobrir a ficção científica. A sugestão partiu do crítico britânico Damien Walters, que pensou em cinco obras capazes de mostrar aos leitores desconhecedores do género o poder das ficções especulativas e fantásticas, que vai mais além do lado confessamente divertido das naves espaciais e lutas com raios laser no espaço. Walters sugere The Sparrow de Mary Russell, Pattern Recogntion de William Gibson, A Mão Esquerda da Escuridão de Ursula K. LeGuin, The Player of Games de Iain M. Banks e China Mountain Zhang de Maureen McHugh. Destes, apenas LeGuin e William Gibson têm obras publicadas em português e merecem a leitura.

Em portugês, o blogger e jornalista João Campos seleccionou cinco excelentes livros que são uma boa introdução ao género, quer em termos de ideias quer de qualidade literária: Um Cântico para Leibowitz de Walter Miller Jr., Flores para Algernon de Daniel Keyes (desafio quem quer que seja a não se emocionar com este livro), O Tormento dos Céus  de Ursula K. LeGuin, A Guerra Eterna de Joe Haldeman e O Homem Duplo de Philip K. Dick. Estes livros foram editados em português. Alguns são difíceis de encontrar nas livrarias, mas normalmente encontram-se nas livrarias online a preços convidativos.

As minhas escolhas são mais abrangentes e olham para a FC e para as transgressões literárias que atravessam géneros. Sugiro As Cidades Invisíveis de Italo Calvino, Olá América de J.G. Ballard, Laranja Mecânica de Anthony Burgess, Babel 17 de Samuel R. Delany e qualquer livro de Ray Bradbury. Calvino e Bradbury encontram-se sem dificuldade nas livrarias, os restantes é um pouco mais difícil.

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Jetpack


As fronteiras literárias não são tão rígidas quanto parecem. Mas quando aqueles géneros de que gostamos parecem ser menorizados, recordem-se: se calhar gostariam de ter qualquer coisa... mais brincadeiras interessantes com as leituras fantásticas no You're All Just Jealous Of My Jetpack.

sábado, 21 de setembro de 2013

Bang!


Sabias que podes ler uma revista sobre ficção científica e fantasia em português completamente gratuita? A revista Bang!, editada pela Saída de Emergência, está disponível nas livrarias Fnac de quatro em quatro meses. Não custa nada, é só levar... a Bang! está cheia de novidades sobre literatura fantástica, banda desenhada, contos de autores portugueses e estrangeiros, e sugestões literárias para descobrir. Também pode ser lida em formato digital, sem custos. Para descarregar todas as edições da revista visitem a página Revista Bang!. Divirtam-se com leituras fantásticas!

A Estranha Vida de Nobody Owens



Edição portuguesa da Presença: A Estranha Vida de Nobody Owens.

A Estranha Vida de Nobody Owens, cujo título original é The Graveyard Book, pega num velho tema de Gaiman: a viagem enquanto processo de descoberta. Esta passa-se toda num mesmo local. A verdadeira viagem é o crescimento do personagem. A obra passa-se num cemitério, que alberga uma colecção eclética de personagens falecidas e um muito especial, o jovem Nobody Owens, que se refugiou no cemitério quando ainda mal podia andar e foi adoptado pelos fantasmas que habitam por entre os túmulos e guardado por um guardião que nem está vivo nem morto. A família real de Nob, como o rapaz é conhecido, foi assassinada por um assassino misterioso. As mortes tiveram um objectivo: travar o nascimento de uma criança capaz de viver na fronteira entre a morte e a vida e que ameaçaria a existência de uma ordem tenebrosa e misteriosa. Num retoque típico de romance fantástico, é precisamente a acção levada a cabo para travar a ameaça que cria a ameaça que destrói aqueles que a temem. Os vilões nunca aprendem a ficar quietinhos.

É a prosa de Gaiman com o seu estilismo poético o que mais fascina o leitor. A história desenrola-se com uma certa previsibilidade esperada. Com personagens que brincam com as convenções do género e uma facilidade na elegância da liguagem que faz parecer simples algo que é muito difícil de conseguir, A Estranha Vida de Nobody Owens é uma leitura que só se deixa terminar quando se vira a última página e se lê a última palavra, desapontado porque... terminou o mergulho em mais um mundo fantástico criado pelo maior escritor contemporâneo de fantasia. Neil Gaiman é um mestre da literatura fantástica que está no auge das suas capacidades. Encontrou a sua fórmula e explora-a, fascinando os seus leitores. Muitos são os escritores que encontram o seu nicho, mas são poucos os que o conseguem fazer com genialidade. Gaiman pertence a este reduzido grupo.

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Little Brother: O Futuro Já Começou


Quando é que um romance de ficção científica é também um manual de sistema operativo? Neste Little Brother: O Futuro Já Começou, por detrás de uma aparentemente inócua história de um rapaz que se vê em aventuras e desventuras enquanto combate injustiças, está uma potente reflexão sobre privacidade, poder dos media, direitos e liberdades individuais, equilíbrio entre os poderes dos estados e direitos dos cidadãos, e aproveitamentos políticos da paranóia associada à guerra ao terrorismo.

Rebusca, intencionalmente, os estereótipos de injustiça absoluta aplicada ao desventurado herói, que tem de sofrer os piores percalços, as mais gritantes injustiças e até tortura numa luta em que os valores da liberdade acabam por triunfar. É uma clássica história de luta do bem contra o mal, só que aqui o bem são os hackers libertários da cultura digital e o mal as legislações opressivas levantadas pelos estados em nome da segurança.

Há um objectivo expresso por pelo autor, Cory Doctorow: ensinar os jovens leitores a usar a tecnologia digital, apropriando-se dos meios tecnológicos para afirmar a sua liberdade individual. Utiliza a literatura juvenil para informar e galvanizar os espíritos sobre temas quentes da actualidade, ligadas à privacidade, segurança online, e as lutas entre uma cultura livre e os interesses políticos e económicos que alegam necessidades imperiosas para imporem limitações que ultrapassam o razoável.

Este autor é um conhecido activista dos direitos digitais, notório pela acérrima defesa da cultura livre . Publica habitualmente os seus livros em formatos tradicionais e também sob licenças creative commons para download sem restrições.

Mais do que uma história, este livro é um manual de subversão. Na narrativa da luta contra as injustiças do jovem hacker ético do livro, Doctorow explora com profundidade formas de luta social e tecnologias que defendem as liberdades e direitos individuais. Enquanto nos compadecemos com a luta sem quartel do jovem Marcus, M1k3y no mundo online, contra os poderes instituídos dos sistemas escolares restritivos, que sobrepõem a indotrinação sobre o espírito de livre arbítrio, e contra as agências governamentais que em nome da segurança atropelam os mais elementares direitos humanos, aprendemos sobre criptografia, o espírito da cultura hacker (que não, não é prejudicar mas sim colocar nas mãos dos utilizadores o controlo da tecnologia que utilizam), smart mobsflash mobs, cultura livre, movimento opensource, redes sem fios, direitos civis e novas formas de organização à margem da tradição partidária potenciadas pelas tecnologias digitais.

Misto de história juvenil com manual de instruções para derrube inteligente de regimes totalitários, Little Brother vale essencialmente pela profundidade com que aborda, para um público juvenil, temas que o impacto da internet nos sistemas sociais, políticos e económicos tornaram basilares nas lutas pelo controle da sociedade do presente. É um livro escrito com o propósito expresso de fazer pensar, o que já de si é altamente louvável.

A edição portuguesa está editada pela Presença. Os leitores mais fluentes em inglês podem ler gratuitamente este livro, disponível no site do autor: Little Brother.

domingo, 13 de janeiro de 2013

Leituras Fantásticas

O projecto Leituras Fantásticas destina-se a um público infanto-juvenil incidindo na divulgação de literatura de ficção cientifica e fantástico em geral. Tem como objectivos incentivar o gosto pela leitura, despertar curiosidade científica, desenvolver o espírito crítico, incentivar a criatividade, e divulgar literatura dos géneros Ficção Científica e Fantasia a públicos jovens.

Pretende promover um conjunto de iniciativas que incluem concursos temáticos de ilustração e multimédia criados por jovens, encontros entre escritores portugueses e alunos de escolas dos diversos ciclos de ensino, e sugestões de leitura a partir das obras incluídas no Plano Nacional de Leitura.